quinta-feira, 1 de junho de 2017

Editorial da TML: Aonde vai o PT?

O Partido dos Trabalhadores realiza do dia 1º ao dia 3 de junho em Brasília o seu 6º Congresso em meio à profunda crise que se arrasta desde os governos de Dilma Rousseff e de seu “impeachment”.

Ao que tudo indica a corrente majoritária Construindo um Novo Brasil, a CNB (antiga Articulação), seguirá à frente da direção do partido, pois as demais tendências e correntes internas não formularam nenhuma alternativa à política frente populista de conciliação e colaboração de classes que o PT desenvolve desde os anos 80 do Século passado, que redundou na Carta aos brasileiros de 2002, com a promessa de “cumprir contratos”, uma concessão à burguesia e ao imperialismo para o partido poder assumir a presidência da república.

A direção do PT de forma geral tentou ignorar o movimento golpista, iniciado desde o mensalão, com a condenação de Zé Dirceu, que sequer foi defendido pelo partido, e que prosseguiu com a chamada “Operação Lava Jato”, concebida pela CIA para perseguir o PT e o movimento operário e popular.

A CNB praticamente capitulou sem luta contra o golpe, sempre recusando-se a mobilizar o movimento operário para evitar que este entrasse em cena. A enorme resistência ao golpe foi espontânea e empírica dos movimentos populares, sociais e estudantis, não foi da direção do PT. Essa capitulação sem luta fez com que as bases do PT ficassem alheias à vida interna do partido e se afastassem. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), bastante organizado, é que vem ocupando o espaço deixado, em razão de seus núcleos urbanos.

A greve geral do dia 28 de abril e a batalha de Brasília no dia 24 de maio abalaram o regime golpista, combinadas com o agravamento da crise econômica, com o governo golpista indo de rombo em rombo, agora com o anúncio da projeção de um rombo de 52,8 bilhões de reais no orçamento de 2017 (uma semana antes o “Estadão”, em editorial, falava em 60 bilhões de reais). Tal fato demonstra que não há recuperação econômica nenhuma, pelo contrário a economia está indo à pique, afundando completamente, o que praticamente inviabiliza o plano de recolonização e escravidão do povo brasileiro, eufemisticamente denominado de “Reforma trabalhista e previdenciária”.

Além disso, a “Operação Lava Jato” e o próprio “ativismo judiciário” (na verdade golpista) do MPF e STF estão profundamente desmoralizados como demonstram dois episódios recentes, ou seja, a absolvição de Cláudia Cruz, esposa de ex-deputado Eduardo Cunha, e as trapalhadas da “delação premiadíssima da JBS”.

A burguesia e o imperialismo norte-americano, assim, praticamente foram forçados a, preventivamente, promoverem um golpe dentro do golpe, para remover Michel Temer, “com as gravações da JBS”, uma manobra de altíssimo risco, encontrando-se num enorme impasse, pois embora tenha chegado a um consenso que não dá para seguir com Temer, não conseguem chegar a um consenso em como substitui-lo.

Setores da burguesia tentam incluir o PT num “Acordão” com a participação de José Sarney e Fernando Henrique Cardoso, visando eleições indiretas no Congresso Nacional, conforme aliás estabelece a Constituição Federal, o que é uma tentativa desesperada para comprometer o PT e tentar seguir com as “Reformas”.

Os nomes colocados e discutidos são de arrepiar: FHC, Henrique Meirelles, Carmen Lúcia, Gilmar Mendes, Nelson Jobim, etc.

Outra alternativa que não pode ser descartada é uma aventura militar, pois como o comandante do Exército disse, estão de “prontidão”, sem falar que, por exemplo, o Rio de Janeiro desde de as Olimpíadas de 2016 encontra-se em Estado de Sítio. Esta manobra também é de altíssimo risco.

Por outro lado, as “Diretas já” num regime de exceção, caso realizadas, colocarão no poder os próprios golpistas, como era na época da Ditadura militar que sempre ganhavam a ARENA e o MDB. Portanto, tal palavra de ordem não passa de jogar areia nos olhos da população, pois é ilusão achar que os golpistas deixarão Lula ganhar eleições, muito menos assumir a presidência da república.

A perspectiva colocada pelo 6º Congresso do PT é bastante sombria, com a continuidade da política de conciliação, colaboração de classes do PT, parlamentarista e sobretudo eleitoreira, política essa que colocará em risco a própria existência do partido, o qual poderá ser ultrapassado pela vanguarda operária e revolucionária, como, por exemplo, aconteceu há exatos 100 anos, com o partido menchevique na Revolução Russa em outubro de 1917, quando os bolcheviques tomaram o poder, através dos Conselhos de deputados operários, camponeses e soldados (os sovietes)..

Com efeito, a conjuntura atual demonstra que "os de cima" não conseguem mais dominar como vinham fazendo antes e "os de baixo" começam a não suportar mais a dominação da burguesia e do imperialismo, sendo que estes vivem uma crise sem precedentes na atualidade, o que poderá abrir uma situação revolucionária, com a erupção das massas operárias e populares.

Assim, cumpre à vanguarda operária e revolucionária apresentar uma alternativa e  reagrupar-se de forma independente, na perspectiva de um programa operário marxista e revolucionário, buscando a convocação de um Congresso de base da classe trabalhadora,  para substituir as direções burocráticas e pelegas, com o objetivo de impulsionar uma greve geral por tempo indeterminado, com comandos de greve eleitos democraticamente, formação de comitês de autodefesa, as milícias operárias e populares, para derrubar todos golpistas e suas instituições de forma revolucionária, na perspectiva de um governo operário e camponês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário