terça-feira, 26 de julho de 2016

Primeira reação do Grupo Luta de Classes da Áustria ao golpe de estado na Turquia

O termo "estado profundo", que significa estruturas ocultas em paralelo, associados aos serviços do aparelho do Estado, militares e de inteligência, tem a sua origem na Turquia.

O "golpe" de ontem 15 de julho levanta mais perguntas do que respostas:

o Quem foram as forças motrizes por trás deste "golpe"?

o Quais foram os objectivos desta revolta militar?

o Por que os "golpistas" agiram de forma tão pouco profissional, enquanto o Sr. Erdogan não estava em Istambul, sem ocupação de estações de rádio e televisão, nem qualquer tentativa de prender membros do governo, ataques aéreos sobre o edifício vazio (!!!) do parlamento, mas não a sede do serviço de inteligência ou quartel da polícia.

o Ao mesmo tempo, não é crível que estes amadores golpistas não tiveram a inteligência e know-how para cortar a Internet e meios de comunicação social?

o Por que não houve massacre de apoiadores do AKP, que foram convidados por Erdogan reunir nas ruas?Por que os "golpistas" não esmagaram a "resistência popular"?

Hoje, Erdogan disse: "A tentativa de golpe foi uma dádiva. Agora podemos limpar o exército. "

O governo islâmico quer reintroduzir, retroativamente, a pena de morte.

É bem possível que um punhado oficiais kemalistas e sargentos queriam derrubar o governo do AKP que destruiu o país politica, social e economicamente. O exército turco, tradicionalmente secular, fez desde 1960 fez 4 tentativa para tentativas de golpe. Na situação atual, um golpe parece plausível.

Podemos supor, no entanto, que os principais oficiais do Estado Maior pediriam, neste caso, a autorização do alto comando da NATO e, especialmente, o governo dos EUA (dado o papel da Turquia no conflito na Síria). À medida que a cobertura da mídia americana deixou claro, a elite política e os serviços secretos em Washington foram surpreendidos por este "golpe".

É um fato Erdogan, que foi, nas últimas semanas, fortemente criticado, mesmo dentro de seu partido, permanece hoje como "salvador da pátria" e imediatamente começou a organizar expurgos e prisões em o exército, a polícia, universidades, etc.

Nesta situação tensa, podemos dizer:

o Pela queda do regime de Erdogan!

o Abaixo todos os oficiais rebeldes!

o Desarmar a polícia, o exército e os serviços secretos!

o Construir conselhos de trabalhadores e camponeses para organizar a resistência!

o Comitês de autodefesa contra as gangues islâmicas e o exército em fábricas, universidades, bairros e aldeias!

o Liberação de toda a classe de prisioneiros nas prisões turcas!

o Reconhecimento dos direitos nacionais dos curdos, armênios e todas as outras nacionalidades oprimidas!

o Instaurar os conselhos e o socialismo!

o Construir o partido operário revolucionário baseado no programa marxista!

16 de julho de 2016
Gruppe Klassenkampf


O Gruppe Klassenkampf  (Grupo Luta de Classes - GKK), da Áustria, faz parte da organização internacional Coletivo Revolução Permanente (CoReP), juntamente com o Groupe Marxiste Internationaliste (GMI), da França, e Revolução Permanente, do Peru.

A TML é simpatizante do CoReP.

A tradução portuguesa é de responsabilidade exclusiva da TML, feita com base na tradução francesa. Todavia, para maior segurança, tendo em vista a nossa insuficiência linguística, sugerimos a consulta ao original em alemão, no Blog do Gruppe Klassenkampf (Grupo Luta de Classes - GKK), da Aústria, e a tradução francesa, no Blog do Groupe Marxiste Internacionaliste (GMI).

Nenhum comentário:

Postar um comentário